A PRIMEIRA MIGRAÇÃO (PARTE 1 DE 2): LIGADOS PELO AMOR AO PROFETA JESUS

Under category :
101 2018/12/18 -0001/11/30
Article translated to : English Español Français Deutsch

A Etiópia é um país que a maioria de nós sabe pouco a respeito.  Você pode reconhecer o nome, mas sabe que é um dos países na região conhecida como Chifre da África?  É a segunda nação mais populosa na África e frequentemente sujeita a fome severa.  A região que agora chamamos de Etiópia foi antes conhecida como Abissínia.  Também foi anteriormente conhecida como Reino de Axum e considerada por Mani (216–276 CE)como um dos quatro grandes poderes de seu tempo, junto com Pérsia, Roma e China.  Axum permaneceu um império forte e um poder comercial até o surgimento do Islã no século 7.  Entretanto, ao contrário das relações entre os poderes islâmicos e a Europa cristã, Axum estava em bons termos com seus vizinhos islâmicos.  Para os muçulmanos a Etiópia era sinônimo de estar livre de perseguição e medo.

 


Nos primeiros anos do Islã os muçulmanos eram perseguidos e torturados pelas famílias que governavam Meca.  Havia até casos de pessoas maltratando membros de suas próprias famílias.  Entre os novos convertidos ao Islã estavam os pobres e os fracos, que eram incapazes de aguentar a dor e fome que eram forçados a passar.  Para protegê-los e à sua religião recém-fundada, o profeta Muhammad, que Deus o exalte, enviou aproximadamente 80 pessoas, inclusive uma de suas próprias filhas, para a Etiópia.  Esse evento é conhecido como a primeira Hégira (migração).

 


O rei da Etiópia, às vezes conhecido como Negus e possivelmente um dos últimos governantes do império de Axum, era conhecido por ser um homem justo e confiável.  Era um cristão com profundas convicções religiosas.  O profeta Muhammad acreditava que seus seguidores seriam bem cuidados se migrassem para um país cuja religião fosse o Cristianismo - uma religião baseada em escritura e cujo profeta era Jesus, filho de Maria.  Os migrantes partiram em sua viagem arriscada carregando com eles uma carta de apresentação para o rei.  O que se segue é uma tradução daquela carta.

 


Começo com o nome de Deus, o Clemente, o Misericordioso, de Muhammad, o Mensageiro de Deus para Negus Al-Asham, rei da Abissínia (Etiópia).

 


Que a paz esteja sobre você, louvo a Deus e testemunho que Jesus, filho de Maria, é o servo de Deus. Foi criado pelo comando de Deus e Maria, a virgem, a boa, a pura, concebeu Jesus. Como Deus criou Adão, criou Jesus.  Eu o chamo para Deus, o Único sem parceiro, e à Sua obediência, e a seguir-me e acreditar no que veio para mim, porque sou o mensageiro de Deus.

 


Envio a você meu primo Jafar com vários muçulmanos e quando chegarem peço que os entretenha e os receba.  Que a paz esteja sobre todos que seguem a Verdadeira Orientação.

 


Quando os governantes de Meca ouviram sobre a migração, se apressaram a enviar seus próprios emissários para a corte etíope.  Temiam que se um governante desse as boas-vindas aos muçulmanos credenciaria à nova religião e legitimaria suas crenças.  Planejaram convencer o rei a expulsar os muçulmanos dando-lhe presentes e espalhando fofocas e calúnias sobre a nova religião e os imigrantes.  Entretanto o rei era um homem sábio, nobre e justo e estava preparado para encontrar e ouvir ambos os grupos.

 


Os dois delegados de Meca reiteraram suas acusações.   Disseram: "Sua Majestade, sabe bem que um grupo de tolos se tornaram renegados e receberam asilo em seu país.  Não abraçaram sua religião, mas ao contrário inventaram a própria religião que nenhum de nós conhece.  Somos pessoas de alta posição relacionadas aos pais, tios e tribos deles e pedimos que nos entregue esses renegados." 

 


O rei então perguntou ao grupo de muçulmanos por que tinham escolhido essa nova religião, ao invés de aderir à religião de seus antepassados ou abraçar a religião estabelecida do Cristianismo.  Jafar, o filho de Abu Talib e primo do profeta Muhammad, levantou-se para falar em nome dos imigrantes e do Islã.  Ele disse:

Ó sua majestade, costumávamos ser um povo de ignorância.  Adorávamos ídolos, comíamos animais mortos, cometíamos grandes pecados, cortávamos os laços familiares e o mais forte entre nós abusava do fraco.  Éramos assim até que Deus enviou dentre nós um profeta que era conhecido por sua descendência nobre, sua honestidade, confiabilidade e decência.  Ele nos convidou a adorar somente a Deus e a nos abstermos de adorar pedras e ídolos.  Ele nos ordenou a não falar nada além da verdade e a retornar o que nos foi confiado a quem de direito. Além disso, nos ordenou manter os laços familiares intactos, sermos bons com nossos vizinhos e nos abster do que é proibido.  Também nos ordenou a não fazer o mal, não fazer declarações falsas, não nos apropriarmos da propriedade dos órfãos, não acusar mulheres castas de infrações sem prova ou testemunha.  Ele nos comandou a adorar somente a Deus , sem associar nada a Ele e a orar, dar zakat e jejuar.  

 


Acreditamos nele e na mensagem de Deus para ele.  Adoramos somente a Deus.  Rejeitamos o que costumávamos associar com Ele como Seus parceiros.  Consideramos ilícito o que ele nos disse que é ilícito e lícito o que ele nos disse que é lícito.  Somente por essa razão nosso povo nos atacou, torturou e nos forçou a deixar nossa religião.  Pretendem fazer com que revertamos à adoração de ídolos, ao invés de louvar a Deus.  Querem que consideremos lícitas as más ações que costumávamos fazer no passado.  Quando nos torturaram e nos cercaram e ficaram entre nós e nossa religião, partimos para o seu reino, escolhendo-o porque precisamos de sua proteção.  Esperamos ser tratados de forma justa enquanto estivermos aqui, ó rei!

 


O rei ouviu essa troca com paciência e atenção e quando os mecanos e os muçulmanos tinham falado, ele se voltou para Jafar e disse: "Você tem algo do que foi enviado de Deus para seu profeta?" O que aconteceu em seguida fez o rei e seus bispos chorarem até que suas barbas ficassem ensopadas de lágrimas e aprenderemos sobre o que foi na parte 2.