1. Articles
  2. Histórias de Novos Muçulmanos
  3. Ali, Ex-Cristão, EUA

Ali, Ex-Cristão, EUA

1489 2014/11/05 2022/10/06

Meu nome é Ali.  Sou um mexicano de 31 anos de idade nascido na América ou, como alguns diriam, um chicano.


Pensei em fazer um site para contar a história de como me tornei muçulmano.  Acho que ajudará insh’Alllah (se Deus quiser) as pessoas a compreender o Islã e como ele me atraiu.  As pessoas têm a percepção errada sobre o Islã e os muçulmanos e o pouco que sabem é geralmente de filmes e televisão, quase tudo falso.


Minha vida antes era ruim e eu não tinha direção na vida.  Estava desperdiçando minha vida porque sai da escola no ensino fundamental.  Andava nas ruas com meus amigos me drogando, bebendo e vendendo maconha e a maioria dos meus amigos eram membros de gangues. Eu mesmo nunca tinha feito parte de uma gangue.  Conhecia a maioria deles antes de terem ficado maus e, por isso, não havia problema.  Lentamente comecei a usar drogas mais pesadas. Tinha sonhos, mas parecia muito distante torná-los realidade.  Quanto mais deprimido ficava, mais me voltava para as drogas como fuga temporária.


Um dia um amigo meu me disse que sabia onde conseguir maconha boa e concordei em verificar.  Chegamos e entramos nesse apartamento. Havia poucas pessoas lá dentro. Sentamos, conversamos um pouco e experimentamos a erva.  Meu amigo e eu compramos um pouco e estávamos prontos para sair quando meu amigo disse que um dos rapazes lá nos convidou para seu apartamento, para dar um livro a ele.


Fomos para o apartamento desse rapaz e quando chegamos lá, ele deu um livro ao meu amigo e pediu que o lesse. Disse que poderia ajudá-lo com seus problemas na vida.  No caminho de volta para casa pedi ao meu amigo que me mostrasse o livro e era o Alcorão.


Nunca tinha ouvido falar do Alcorão Sagrado e comecei a ler rapidamente algumas páginas e enquanto lia soube que era verdadeiro. Era como um tapa no rosto, um chamado para acordar.  O Alcorão é muito claro e fácil de entender.  Realmente me impressionou e quis saber mais sobre o Islã e os muçulmanos.


A coisa mais estranha é que não estava procurando por uma nova religião. Costumava rir das pessoas que iam à igreja e às vezes dizia que Deus não existia.  Embora no fundo soubesse que existia.  Decidi ir à biblioteca alguns dias depois e checar o Alcorão.  Comecei a lê-lo e estudá-lo. Aprendi sobre o profeta Muhammad e a história verdadeira de Jesus, filho de Maria (que a paz esteja sobre ele).  O Alcorão enfatizava o fato de que Deus é um e não tinha parceiros ou um filho e isso era o mais interessante, porque nunca entendi o conceito de trindade.  O Alcorão descreve o nascimento do profeta Jesus, que a paz esteja sobre ele, e sua missão.  Também há uma surata (capítulo) chamado Maryam (Maria) que conta a história dela.


Quando criança sempre ia à igreja. Minha mãe era adventista do sétimo dia e levava minha irmã e eu todos os sábados.  Nunca fui religioso e parei de ir à igreja quando tinha 14 ou 15 anos.  O resto de minha família é católica e sempre me perguntei por que éramos adventistas e o resto da família era católica.  Quando visitávamos minha família no México íamos à igreja católica para casamentos e celebrações.


Muhammad, que a misericórdia e bênçãos de Deus estejam sobre ele, é o último mensageiro de Deus enviado para toda a humanidade.  O Alcorão conta a história de todos os profetas como Adão, Abraão, Noé, Isaque, Davi, Moisés, Jesus (que a paz esteja sobre todos eles) para mencionar apenas alguns, de maneira clara e compreensível.  Fiz meses de pesquisa sobre o Islã e comprei um Alcorão Sagrado em uma livraria. Estudei sobre o mundo e as contribuições do Islã para a medicina e a ciência.


Aprendi que a Espanha foi um país muçulmano por quase mil anos e que quando os muçulmanos foram expulsos da Espanha pelo rei e a rainha cristãos (Ferdinando e Isabela), os espanhóis cristãos vieram para o México e forçaram os astecas e os demais a se tornarem católicos. A história e minhas raízes islâmicas estavam ficando claras para mim.


Depois de meses de estudo e pesquisa não podia mais negar a verdade e já tinha adiado por tempo demais, mas continuava vivendo a vida de antes e sabia que se me tornasse muçulmano teria que deixar tudo aquilo.  Um dia, enquanto lia o Alcorão, comecei a chorar, caí de joelhos e agradeci a Allah por me guiar para a verdade.  Descobri que havia uma mesquita perto de minha casa e, assim, fui uma sexta-feira para ver como os muçulmanos oravam e conduziam seu serviço religioso.  Vi que pessoas de todas as raças e cores frequentavam a mesquita.  Vi que tiravam seus sapatos quando entravam e sentavam no chão atapetado.  Um homem se levantou e começou a chamar o Adhan (o chamado para a oração) e quando o ouvi meus olhos encheram-se de lágrimas. Soava muito belo e era tudo muito estranho a princípio, mas parecia tão certo, ao mesmo tempo.  O Islã não é apenas uma religião, mas um modo de vida.


Depois de frequentar algumas sextas-feiras estava pronto para ser um muçulmano e disse minha shahada (declaração de fé).


Disse ao khatib (pessoa que faz o sermão) que queria ser muçulmano e na sexta-feira seguinte, na frente da comunidade, disse minha shahada primeiro em árabe e depois em português: Testemunho que não há deus exceto Allah e testemunho que Muhammad é Seu mensageiro.

Quando terminei um irmão gritou Takbir! e todos da comunidade disseram: “Allahu Akbar (Deus é maior)!” algumas vezes. Então todos os irmãos vieram e me abraçaram.  Nunca recebi tantos abraços em um dia e nunca esquecerei que aquele dia foi maravilhoso.  Sou muçulmano desde 1997. Estou em paz comigo mesmo e tranquilo na religião. Ser muçulmano realmente mudou minha vida para melhor, graças a Deus Todo Poderoso.  Voltei para a escola para fazer o segundo grau e o curso de manutenção de computadores.


Tive a bênção de ser capaz de fazer o Hajj (peregrinação) à cidade sagrada de Meca. Foi a experiência de uma vida. Aproximadamente 3 milhões de pessoas de todas as raças e cores em um lugar adorando Deus Todo Poderoso, o Criador.  Alhamdulillah (louvado seja Deus) em dezembro de 2002 casei-me no Marrocos, com uma muçulmana muito boa.


Acho que o Islã é a resposta para os problemas da juventude e da sociedade em geral.  Espero que minha história, insh’Allah (se Deus quiser), atraia mais latinos e pessoas de todas as raças para a luz do Islã.

Previous article Next article
O Website do Profeta Maomé, O Mensageiro de AláIt's a beautiful day