1. Articles
  2. Retratos das Vidas dos COMPANHEIROS DO PROFETA MOHAMMAD
  3. A história do jovem britânico que abraçou o Islam. Chamava-se David Musa Pidcock e depois de declarar-se muçulmano se chama Dawud Musa Pidcock (Dawud é David en árabe)

A história do jovem britânico que abraçou o Islam. Chamava-se David Musa Pidcock e depois de declarar-se muçulmano se chama Dawud Musa Pidcock (Dawud é David en árabe)

Auther : Muhammad Al-Sayyid Muhammad
15 2024/07/06 2024/07/14


Este jovem se levantou e se apresentou com o nome de Dawud Musa Pidcock e sua profissão como presidente do partido islâmico.

Isso foi depois duma conferência em inglês de Dr. Zaghloul Al-Nadjar sobre os milagres científicos no Alcorão e Sunnah, na faculdade de medicina, Universidade de Cardiff - capital do país de Gales, a oeste da ilha da Grã-Bretanha, enquanto havia conversas muito interessantes com uma audiência de muçulmanos e não muçulmanos. 

Uma das perguntas do público foi acerca do evento da separação da lua, que é mencionada no Alcorão, no início da sura da lua (n º 54) e se é considerada um dos milagres científicos do Sagrado Alcorão ?

Quando Dr.Zaghloul Al-Nadjar terminou de responder à pergunta, o jovem David, pediu permissão para acrescentar algo ao que o médico tinha dito; o médico deu-lhe permissão.

David, depois de presentar-se disse: 'este versículo tem sido minha entrada a aceitar o Islam como uma religião. Estava muito interessado no estudo de religião comparada e um amigo muçulmano me deu uma cópia da tradução da interpretação do Alcorão Sagrado, peguei, e depois de agradecer-lhe, fui para casa. Para navegar por primeira vez, fiquei surprendido com a sura chamada A Lua, eu comecei a ler (A Hora (do Juízo) se aproxima, e a lua se fendeu.) e então eu parei de perguntar: como pode ser lua rachada e pegar-se de novo? E qual é a força que é capaz de devolvê-la a sua normalidade? Parei de ler e este versículo me fez parar de seguir lendo. 

Mas como Deus sabia minha fidelidade na busca da verdade e a minha preocupação em conhecê-la, fiquei sentado a frente da TV para assistir um programa no canal de televisão britânica BBC. O programa se tratava de um diálogo entre um transmissor britânico chamado James Burck e três cientistas do espaço americanos. O transmissor fez uma reportagem pelos resíduos dos gastos em viagens ao espaço enquanto muita gente se enfrenta  o perigo de fome, doenças, analfabetismo entre os adultos e várias formas de retardo urbano, científico e técnico, e que seria melhor, como prioridade: gastar este dinheiro abundante em resolver estas questões urgentes e reconstruir a terra em vez de competição em viagens espaciais.

Os cientistas espaciais começaram a defender o seu oficio, esclarecendo que oficio  das viagens espaciais não são em vão, já que eles ajudam a desenvolver uma série de tecnologias avançadas aplicadas em vários campos da medicina, indústria e agricultura, que pode trazer muitos benefícios, materiais e científicos. No meio desta discussão, foi mencionado a viagem de pousar um homem na lua, sendo uma das viagens mais caras que envolve o pagamento de dezenas de milhares de dólares, o interlocutor perguntou: fez tudo isso para levantar a bandeira americana na lua?

A resposta dos cientistas foi negativa, e eles esclareceram que o objetivo da viagem foi um estudo científico do corpo celeste mais próximo da nossa terra.

O interlocutor disse: 'Acaso não seria mais útil gastar essas enormes quantidade de dinheiro na construção da terra?

Os cientistas responderam: 'a viagem levou-nos para uma realidade científica que se passamos dobro dessa quantidade de dinheiro para convencer as pessoas desta realidade, ninguém acreditava.'

O interlocutor disse: 'E qual é esta realidade científica?'

A resposta foi: a lua se rachou um dia e em seguida pegou de novo; a prova se constata na existência de rachaduras longas e muito profundas no corpo da lua, com uma profundidade de centenas de metros até mais de um quilômetro e o mais largos são de medio quilômetro a cinco quilômetro, estendia-se por centenas de quilômetros de linhas retas ou sinuosas. Estas fendas longas e volumosas passam por muitas cavidades mais de nove quilómetros de profundidade e mais de mil quilômetros de diâmetro. Como exemplos de cavidades muito profundas é a cavidade conhecida com o nome 'Mar do Oriente' ou 'Mare Orientalis', que é interpretado como resultado da colisão de corpos do espaço de um tamanho de pequenos planetas. Entretanto as rachaduras conhecidas como o nome 'Rachaduras moles' ou 'Rimaccr rimas Lunar' foram interpretadas como rachaduras produzidas da tração lateral ou das compenetraciones ígnea que têm a forma de veias de corte. Mas formas similares na terra não atingem tal profundidade, portanto são interpretados como efeitos de uma separação da lua e sua volta a pegar-se.

Dawud Musa Pidcock disse: 'quando eu ouvi estas palavras eu coloquei nos pés dum salto e pensei: um milagre que aconteceu com Muhammad 1.400 anos, a ciência verifica-la nestes tempos de tecnologia que vivemos de uma forma tão simples e direta que nenhum astrônomo ignora hoje em dia.' Em seguida, o Alcorão deve ser uma realidade absoluta e uma verdade perfeita em toda informação transmitida e então voltei para retomar a leitura da tradução da interpretação do Sagrado Alcorão. 

Este versiculo que inicialmente me fez parar de ler este livro glorioso, tem sido minha entrada a aceitar o Islam como uma religião.'

Dr. Zaghloul Al-Nadjar disse: 'Eu não posso descrever o impacto dessas palavras e do tom sincero dos quisl foram ditos aos assistentes, são muçulmanos ou não-muçulmanos, já que agitaram os corações e mentes e moveram os sentimentos e pensamentos. Eu não disse nada melhor do que repetir estas palavras de Deus, Glorificado seja: 

Deus o Altíssimo disse

Mas quando agraciamos o homem, ele desdenha e se envaidece; em troca, quando o mal o açoita, eis que não cessa de Nos suplicar!

[41:51]

Previous article Next article

Articles in the same category

O Website do Profeta Maomé, O Mensageiro de AláIt's a beautiful day