Os ensinamentos do Profeta sobre a higiene e a ablução

Seus ensinamentos sobre tomar banho

  • Quando entrava no banho, dizia: “Ó Allah, busco refúgio em ti do mal e dos maldosos” (narrado por Bukhari e Muslim); e ao sair, dizia: “Peço Teu perdão” (Abu Dawud, Tirmidhi e Ibn Majah).
  • Geralmente urinava agachado.
  • Às vezes, higienizava-se com água, algumas vezes com pedras[1] e outras usando ambos.
  • Usava sua mão esquerda para lavar as partes íntimas.
  • Logo após higienizar-se com água, friccionava suas mãos contra o solo.
  • Quando viajava, afastava-se para realizar suas necessidades fisiológicas, a fim de não ser visto pelos seus companheiros.
  • Às vezes, escondia-se detrás de arbustos e pequenas árvores.
  • Escolhia as partes mais fofas (suaves) do solo para urinar.
  • Não tirava suas roupas até que estivesse abaixado perto do chão.
  • Não falava e nem respondia às saudações enquanto estivesse realizando suas necessidades fisiológicas.

Seus ensinamentos sobre o wudhu’[2] (ablução)

  • Usualmente fazia ablução para cada oração, ainda que tivesse sua última ablução válida.
  • Para a ablução, usava uma medida[3] de água ou dois terços dela, às vezes, usava um pouco mais.
  • Usava a água da ablução com muito cuidado e advertia seus companheiros a não desperdiçá-la.
  • Costumava lavar suas extremidades uma vez, às vezes duas ou três, mas, nunca mais de três.
  • Usava sua mão direita para aspirar a água e a mão esquerda para vertê-la.
  • Nunca fez ablução sem lavar a boca e o nariz.
  • Costumava limpar toda a sua cabeça, movendo suas mãos para frente e para trás.
  • Quando esfregava sua testa, incluía seu turbante.
  • Esfregava as partes internas e externas de suas orelhas junto com sua cabeça.
  • Lavava seus pés quando não estava calçado de botas ou meias.
  • Sua ablução era seqüencial e ininterrupta.
  • Começava sua ablução com “Bismillah” e concluía dizendo: “Atesto que não há divindade afora Allah, único, sem sócios e atesto que Muhammad é Seu servo e mensageiro. Ó Allah, faz-me daqueles que continuamente se arrependem e daqueles que continuamente se purificam” (Tirmidhi). Também dizia: “Ó Allah, Tu és merecedor de toda glorificação e louvor. Atesto que não há deus senão Tu. Busco Teu perdão e me arrependo diante de Ti.”
  • Nem ele, nem seus companheiros diziam, antes de começar a ablução: “tenho a intenção de remover a impureza para fazer a oração”.
  • Nunca se lavou acima dos cotovelos e tornozelos.
  • Não era do costume secar-se após a ablução.
  • Algumas vezes esfregava seus dedos com água por entre a barba, mas não era sempre.
  • Com freqüência lavava entre os dedos dos pés, mas não era sempre.
  • Não esperava que alguém lhe vertesse água durante a ablução; usualmente ele mesmo derramava a água, mas algumas vezes outros o ajudavam.

Seus ensinamentos sobre passar a mão úmida sobre o calçado

  • Narrações autênticas assinalam que o Profeta ﷺ passava a mão úmida sobre o calcado de couro ao realizar a ablução, quando estava viajando ou não. Ele especificou um limite de um dia e uma noite para os não viajantes e três dias e três noites para os viajantes.
  • Costumava passar a mão úmida sobre a parte superior dos sapatos ou meias. (também passava a mão úmida sobre o turbante apenas ou nele e em sua testa)
  • Ele atuava de acordo com a condição de seus pés: se estava usando sapatos ou meias passava a mão úmida sobre eles, se seus pés estavam descalços, lavava-os.

Seus ensinamentos sobre o tayammum[4]

  • Fazia o tayammum no tipo de terreno em que estivesse rezando, fosse pedra, terra ou areia, e dizia: “Onde quer que alguém de minha ummah esteja, quando chegada a hora da oração, tem sua mesquita e sua fonte de purificação.” (Narrado por Ahmad)
  • Não levava areia com ele nas viagens longas e ordenou aos companheiros que não fizessem isso.
  • Nenhuma narração autêntica mostra que ele tenha feito o tayammum para cada oração, também jamais ordenara que isso fosse feito. Ele simplesmente considerava o tayammum como um substituto para a ablução.

• Costumava fazer o tayammum passando suas mãos sobre o solo uma vez e, depois, levando-as, ao rosto[5], e em seguida esfregava as suas mãos.

 



[1] Era o que se usava à época, hoje em dia o papel higiênico cumpre a mesma função.
[2] Zadul Ma’ad (1/184)
[3] Aproximadamente um litro.
[4] Zadul Ma’ad (1/192). Tayammum é um substituto para a ablução com água, usando terra seca e limpa para a purificação ritualística, quando não se tem acesso à água.
[5] O tayammum está limitado ao rosto e mãos e não a todas as partes do corpo que são lavadas durante a ablução com água.
Next article