1. Articles
  2. Histórias de Novos Muçulmanos
  3. Radko, Ex-Ateu, Tchecolosváquia (parte 2 de 2): Uma Semente Plantada Cresce Alta e Forte

Radko, Ex-Ateu, Tchecolosváquia (parte 2 de 2): Uma Semente Plantada Cresce Alta e Forte

1150 2015/03/21 2023/01/27

Em julho de 2001 encontrei um jovem do Iraque.  Seu nome era Ibrahim.  Rapidamente iniciamos uma conversa.  Ele me disse que era muçulmano e respondi que era cristão.  Estava preocupado que o fato de ser cristão fosse um problema, mas estava errado.  Fiquei feliz em estar errado.  Foi interessante que eu não queria tornar-me muçulmano e ele não tentou me converter.


Embora considerasse os muçulmanos um grupo exótico, estava interessado em aprender mais sobre o Islã.  Era uma boa oportunidade de aprender mais.  Percebi que tinha diante de mim um homem que podia me ensinar muito sobre o Islã e criei coragem para pedir-lhe que o fizesse.  Esse foi meu primeiro encontro com o Islã. Na verdade, meu primeiro passo.  Depois de algum tempo nos separamos e não o vi novamente, mas a semente havia sido plantada.


Lembro-me de ter lido uma entrevista com Mohammad Ali Silhavy (um velho muçulmano tcheco) e ficado ansioso para conseguir seu endereço e escrever-lhe uma carta.  Então veio o 11 de setembro.  Por causa do clima político, pensei que não era o momento apropriado para contatar o Sr. Silhavy.  Vi-me sem saída.


Dois meses depois encontrei coragem para escrever uma longa carta para o Sr. Silhavy.  Algum tempo depois ele respondeu e enviou um pacote contendo literatura e panfletos islâmicos.  Disse-me que tinha informado a Fundação Islâmica em Praga a meu respeito e pedido a eles para enviar-me a tradução do Alcorão.  Esse foi o meu começo.  Passo a passo, aprendi que o Islã não é uma religião militante, mas ao contrário, é uma religião de paz.  Minhas perguntas foram respondidas.


Por causa de certas circunstâncias, somente três anos depois decidi visitar o Sr. Silhavy.  Ele demonstrou muita paciência enquanto me explicava assuntos diferentes e sugeriu que eu visitasse a mesquita de Brno (República Tcheca).  Quando fui à mesquita de Brno, temia ser visto como um estranho, um intruso.  Fiquei muito surpreso ao constatar justamente o contrário.  Encontrei K. e L., que foram as primeiras pessoas que me ajudaram.  Claro, encontrei outros irmãos que me deram as boas vindas da forma mais calorosa possível.


Comecei a pesquisar todos os aspectos do Islã e descobri o quão compreensível e lógico o Islã é.  Gradualmente comecei a aprender como orar e hoje domino a oração sem problemas, mesmo em árabe.  Larguei um mau hábito que não era compatível com o Islã.  Era um jogador e dos bons.  Foi uma batalha difícil comigo mesmo, mas com a ajuda de Deus, venci.


Se alguma vez duvidei de meu interesse no Islã ou se poderia viver como um muçulmano, sei agora que meu interesse é permanente e me considero um deles.  Talvez pareça muito simples, mas com a ajuda de Deus venci essa batalha interna.  Pensei cuidadosamente antes de decidir abraçar o Islã definitivamente.  Para ser honesto, durante todo o ano de 2003 e o início de 2004, não estava completamente certo de como lidaria com isso.  Finalmente decidi-me em definitivo.  Não sou mais aquele jovem do início dos anos 1990.


É por isso que hoje me sinto muito feliz em ser muçulmano.  Finalmente sinto-me livre.  Ainda tenho minhas imperfeições, mas estou tentando corrigir-me.  Acredito que Deus me ajudará.  Agora, ouça o que quero dizer e considero minha obrigação: acredito em meu coração e declaro pela palavra que não existe outra divindade a não ser Deus e que Muhammad é Seu mensageiro.

Previous article Next article
O Website do Profeta Maomé, O Mensageiro de AláIt's a beautiful day